.

9.2.07

Carnaval e suas Máscaras



Já usavam máscaras na Pré- História.

Quando usamos máscara, é como deixar de lado a personalidade, assumindo as qualidades do ser embutido na máscara.

O homem primitivo deixou gravado nas paredes das cavernas da Idade da Pedra. Na França foi feito descobertas em 1940 mostrando caçadores mascarados usando cabeças de animais. Estas eram uma das formas de adquirir as forças destes animais.

A primeira concentração carnavalesca se localizava no Egito, a festa eram danças e cantorias em volta de fogueiras.

Os foliões usavam máscaras e disfarces simbolizando a inexistência de classes sociais. Usava-se mascaras também para colocar no rosto dos mortos, auxiliando-os na passagem para o outro lado. Também usavam para a cura de doenças e os perigos nos acidentes.

A mascara era usada em civilizações, como a Grega, a Romana. Em 700 e 675 a.C., o exército Grego era bem equipado com máscaras protetoras e capacetes. O exército e os gladiadores romanos também utilizavam nas batalhas, e para desfiles nos circos e no teatro.

Os Gregos foram os primeiros a usar máscaras na arte de representar, eles eram imbatíveis, identificando o personagem e seu caráter e até os sentimentos, o ator usava varias faces. Muitas máscaras tinham caracteres de deuses e semideuses, algumas representavam reis e heróis das tragédias antigas.

O Carnaval tem início nos cultos agrários da Grécia, de 605 a 527 a.C. Com o surgimento da agricultura, os homens passaram a comemorar a fertilidade e produtividade do solo
O Carnaval Pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dioniso no século VII a.C. e, termina, quando a Igreja Católica adota a festa em 590 d.C. Depois, a tradição se espalhou na Grécia e Roma.

Entre o século VII a.C. e VI d.C. Veneza Cidade da Itália conhecida por sua beleza paisagística, faz-se famosa por suas gôndolas e bailes de carnaval com máscaras maravilhosas.

Toda a cidade se envolvia, e tudo era permitido. Saíam pelas ruas com capas e máscaras, ninguém conhecia ninguém, sexo e posição social não se sabia.

Só em 1545, no Concílio de Trento, o Carnaval é reconhecido como uma manifestação popular de rua. Em 1582, o Papa Gregório XIII transforma o Calendário Juliano em Gregoriano e cria as datas do Carnaval. O motivo da data é não coincidir com a Páscoa Católica, que não pode ter data fixa para não coincidir com a Páscoa dos judeus O cálculo é um pouco complexo.

No Brasil máscaras de carnaval expressavam mitos, crítica social e ironia em relação às dificuldades cotidianas, enfim, desejos e criatividade.

O Carnaval brasileiro surge em 1723, com a chegada de portugueses das Ilhas da Madeira, Açores e Cabo Verde. O primeiro registro de baile é de 1840.

Em 1899, enquanto ouvia o ensaio do Cordão Rosa de Ouro, no Andaraí,

Chiquinha Gonzaga

Compôs a primeira marcha carnavalesca intitulada Ó Abre Alas

Depois, em 1902, fez uma viagem à Europa Voltou ao BRASIL EM 1912, para assistir a estréia de "Forrobodó"

Em 1855 surgiram os primeiros grandes clubes carnavalescos, antecessores das atuais escolas de samba. No início século XX, já havia diversos cordões e blocos, que desfilavam pela cidade durante o Carnaval. A primeira escola de samba foi fundada em 1928 no bairro do Estácio e se chamava Deixa Falar. A partir de então, outras foram surgindo até chegarmos à grande festa que vemos hoje.

Em 1930, Carmen Miranda canta Ta Hí.E a marcha YÁ,YÁ,YÔ,YÔ,


3 Comentários:

  • Um resgate da História belo texto
    abraço Viviane

    Por Anonymous Anônimo, às 12:11 AM  

  • Bacana Dora teu trabalho de pesquisa,
    parabéns !
    abraço afetuoso tua leitora e amiga,
    virgínia

    Por Blogger além mar peixe voador, às 2:27 AM  

  • Dora,
    Acho que a "mascara" sempre fez parte de nossa vestimenta, literalmente falando...Fico a pensar se só a tornamos pública no carnaval, rs...

    Teu texto é perfeito pelas informações contidas.

    beijos

    Por Anonymous Menina do Rio, às 7:49 PM  

Postar um comentário

<< Home