.

27.8.09

TCHELLO D’BARROS


Tchello d'Barros (Brunópolis/SC, 1967) é escritor, artista visual e viajante. Residiu em 12 cidades, sendo 15 anos em Blumenau/SC, onde iniciou a carreira artística. Percorreu 20 países em constantes pesquisas na área cultural e desde 2004 está radicado em Maceió/AL, onde produz obras em desenho, pintura, infogravura, fotografia, instalação e poesia visual. Publica textos regularmente em jornais, revistas, sites e eventualmente ministra palestras, oficinas literárias e cursos de desenho.

Na Literatura, publicou 5 livros de poesia e vários Cordéis. Também publicou textos em mais de 30 coletâneas e antologias. Foi sócio-fundador e presidente da Sociedade Escritores de Blumenau, tendo criado e realizado diversos projetos literários. Foi ainda idealizador e um dos coordenadores do Fórum Brasileiro de Literatura.

Nas Artes Visuais, participou de cerca de 40 exposições, entre individuais e coletivas. Como designer, desenvolveu criações gráficas para agências de publicidade, desenhos para a indústria têxtil, e produziu ilustrações para jornais, revistas e livros.

Foi gestor de Literatura do APL Cultura em Jaraguá, é membro fundador e um dos coordenadores do Fórum de Artes Visuais de Alagoas, e integra o Colegiado Setorial de Artes Visuais - Minc/Funarte.


.......................................................................................................................


ARTES VISUAIS - Exposições Individuais Selecionadas:

Transfigurações - Gravuras – Inst. Zumbi dos Palmares - Maceió/AL – 2009
Semblanteria Pop - Gravuras – Shopping Iguatemi - Maceió/AL – 2009
Convergências - Poemas visuais – CEN em Blumenau/SC – 2008
Galeria de Artes do Senac – Maceió/AL - 2007
MISA – Maceió/AL – 2007
NAC – João Pessoa/AL – 2006
Labiríntimos - Infogravuras – EBEC Galeria de Arte – Salvador/BA - 2006
depois na Casa da Arte – Maceió/AL - 2007
Graphos & Chromos - Infogravuras – Mandala Cultural – Maceió/AL – 2009
Galeria do Sesc – Maceió/AL - 2006
Diálogos Foto-Poéticos - Plotagens – C. C. S. Fco. – J. Pessoa/PB – 2006
Galeria Capibaribe CAC/UFPE - Recife/PE – 2005
Espaço Cultural da CBTU - Maceió/AL - 2004
Pinacoteca UFAL – Maceió/AL – 2004

Conversas Com Versos - Instalação - Teatro Deodoro - Maceió/AL - 2004
Equação Nívea - Fotografia - Oficina Cultural Sebrae - Maceió/AL - 2004
Relevos Revelados - Infogravuras - MISA - Maceió/AL - 2004
E O Verso se Fez Carne - Fotografias – IAB - Ponta Verde - Maceió/AL – 2004
Apelos Pela Pele - Desenhos – Castelo do Turismo – Blumenau/SC - 2003
América do Sul - Fotografias - Shopping Neumarkt - Blumenau/SC - 2002
Ânima - Infogravuras - Galeria SEMED - Blumenau/SC – 2000
Moradas do Fogo - Pinturas – Shopping Neumarkt – Blumenau/SC – 2000
depois no Senai – Blumenau/SC - 2000
Anatomia de Vênus - Desenhos – Gal. do Papel/FCB – Blumenau/SC - 1999
Pelo Amor de Deus - Pinturas - Fundação Cultural de Blumenau/SC – 1996
depois na Fundação Cultural de Gaspar/SC – 1996
Cosmovisão - Pinturas – Câmara de Vereadores de Blumenau/SC - 1995
Sincronicidade - Infogravuras - Museu/Biergartem - Blumenau/SC - 1996
Países Imaginários - Pinturas - Viena Park Hotel - Blumenau/SC – 1994
depois na Caixa Ec. Federal – Blumenau/SC - 1995
Corporificação - Pinturas - Hall da Reitoria da FURB - Blumenau/SC - 1993


ARTES VISUAIS - Exposições Coletivas Selecionadas:

Mostra Nac. de Poesia Visual – Poemas Visuais – Casa M. Quintana – P. Alegre/RS - 2009
A vida não tem ensaio - Infogravuras – Inst. Goethe – Salvador/BA - 2009
Nossa História - Infogravuras – Pinacoteca UFAL – Maceió/AL - 2009
ArteCiência - Infogravuras – Espaço Ciência – Olinda/PE - 2008
Arte na Casa - Infogravuras – Arte na Casa/Jaraguá – Maceió/AL - 2008
Desenho no Plural - Fotografias – Galeria Dmae – Porto Alegre/RS - 2008
VI Arte Jovem Brasileira - Infogravuras – F. P. C. Magno – Niterói/RJ - 2007
II Fotogarça - Fotografias – Galeria de Artes do Senac – Maceió/AL - 2007
As Cordas Que Nos Cercam - Infogravuras – MISA - Maceió/AL – 2007
Semana de Artes Esamc - Infogravuras – Fac. Esamc - Maceió/AL - 2007
Semana de Artes Esamc - Poemas visuais – Fac. Esamc - Maceió/AL - 2006
SPA 2006 - Ideogramas/Plotagens – Cia. Great Western – Recife/PE - 2006
Projeto Corredor das Artes - Poemas visuais – CCEM – Maceió/AL – 2006
Universidarte - Fotografias – Univ. Estácio de Sá – Rio de Janeiro/RJ - 2006
Afetos Roubados no Tempo - Livro-objeto – CAC/UFPE – Recife/PE – 2006
depois no Museu Théo Brandão – Maceió/AL - 2006
depois na Fac. Santa Marcelina – São Paulo/SP - 2006
depois na Caixa Cultural – Salvador/BA – 2007
depois no 14º Fenart – João Pessoa/PB - 2008
III Bienal da Gravura - Infogravuras - 11º Fenart - João Pessoa/PB - 2005 Projeto Corredor das Artes - Infogravuras – CCEM – Maceió/AL – 2005
Quatro Quadrantes - Pinturas – Castelo do Turismo – Blumenau/SC - 2003
A Mulher sob o Olhar do Artista - Pinturas - Dicave - Blumenau/SC – 2000
Mostra coletiva de Artes - Pinturas – Galeria Semed – Blumenau/SC - 1998
Caldeirão Cultural - Infogravuras - Espaço Weinstub/FCB - Blumenau/SC – 1997
O Verde de Nossa Terra – Pintura – Furb – Blumenau/SC – 1996
Coletiva da Bluap - Pinturas – Hotel Blu Tower – Blumenau/SC - 1995
Coletiva da Bluap - Pinturas – Clube Ipiranga – Blumenau/SC - 1995
Coletiva da Bluap - Pinturas – Hotel Blu Tower – Blumenau/SC – 1994
Arte Contemporânea na Empresas – Pinturas - Grupo Lince – Gaspar/SC - 1994
Arte na Fábrica – Pinturas – Empresas Hering – Blumenau/SC e Região - 1994
Arte à 3 X 4 - Painel/Desenho - Blumenau, Rio do Sul e Tubarão/SC - 1994
4 Arteiros Contemporâneos - Pinturas - CTB - Bal. Camboriú/SC - 1994
Poesia Visual - Poemas Visuais - Gal. do Papel/FCB - Blumenau/SC – 1994
Poesia Visual - Poemas Visuais - Biblioteca da Furb – Blumenau/SC - 1994
I Salão de Arte A Cor da Corda - Instalação - FCB - Blumenau/SC - 1994
X Salão de Arte de Itajaí - Pinturas – Casa Dide Brandão -Itajaí/SC – 1994
Coletiva de Artes da Bluap - Pinturas – Clube Ipiranga – Blumenau/SC - 1993


LITERATURA – Livros publicados:

Cordéis - Poesia de Cordel - Ed. de autor – Maceió/AL - 2006
À Flor da Pele - Poesia - Ed. Cultura em Movimento – Blumenau/SC - 2003
Olho Zen - Poesia - Ed. Multi-prisma – Blumenau/SC - 2000
Letramorfose - Poesia - Ed. Cultura em Movimento – Blumenau/SC - 1999
Palavrório - Poesia - Ed. de Autor – Blumenau/SC - 1996
Olho Nu - Poesia - Ed. Letras Contemporâneas – Florianópolis/SC - 1996


LITERATURA - Publicações em antologias e coletâneas:

Antologia do III Encontro do Portal CEN de Portugal - Blumenau/SC - 2008
Hai-Kais em Setembro (Ed. Nova Letra - Blumenau/SC) 2007
Blumenau em Cadernos - Edição de 50 anos - FCB - Blumenau/SC - 2007
Gente Que É - Ed. SEB – Blumenau/SC - 2007
Jóias Literárias - Ed. Estúdio Criação + SEB - Blumenau/SC - 2007
A Poesia das Alagoas - Edições Bagaço - Recife/PE - 2007
O Conto das Alagoas - Edições Bagaço - Recife/PE - 2007
BlumenauAçu na Ponta dos Dedos - FCB - Blumenau/SC - 2007
Contos de Natal - SEB – Blumenau/SC - 2006
Um Rio de Letras - Vol. III - SEB - Blumenau/SC - 2006
Um Rio de Letras – Vol. II - SEB - Blumenau/SC - 2005
Pão e Poesia – Vol. II - Ed. Cultura em Movimento - Blumenau/SC - 2004
Um Rio de Letras – Vol. I - SEB - Blumenau/SC - 2002
Pão e Poesia - Vol. I - Ed. Cultura em Movimento - Blumenau/SC - 2002
Leituras de Mundo - Vol. II - Ed. Cultura em Movimento - Blumenau/SC - 2002
Metafísica Cotidiana - Ed. Letradágua + Fund. Cultural de Timbó/SC - 2001
Espelhos da Língua - SEB + Ed. Cult. em Movimento – Blumenau/SC - 2000
Inspiração Erótica - Ed. Literarte - Jundiaí/SP – 2000
A Sensualidade da Língua – Ed. Literarte – Jundiaí/SP - 1999
Conto Poesia - Vol. III - Ed. Sinergia - Florianópolis/SC - 1999
Horizontes - Ed. PD/Poesia Diária - São Paulo/SP - 1999
BlumenauAçu - Ed. Cultura em Movimento - Blumenau/SC - 1998
Laboratório de Poesia - FCB – Blumenau/SC - 1996
Viva Poesia - FCB - Blumenau/SC - 1996
Sul Azul - Câmara de Vereadores de Blumenau/SC - 1995
A Poesia e o Operário - Sesi – Blumenau/SC – 1994
Blumenália Poética – Vol. II - Lauro Lara Editora – Blumenau/SC - 1994
Cidade de Criciúma - Ed. Calpi - Criciúma/SC - 1994




Tchello d’Barros (0..82) 8857-1967 tchello@tchello.art.br www.tchello.art.br







Fortuna Crítica – Alguns excertos

Christian Koenig
Clemente Padin
Luiz Eduardo Caminha
Rodolfo de Athayde
Matilde Matos
Cleomar Rocha
Nadja Mª Fonseca Peregrino
Ângela Mª Fernandes de Magalhães
Bruno Monteiro
Mario Sette
Ana Glafira
Benedito Ramos
Luis Alberto Machado
Francisco Oiticica-Filho
Cláudio Bergamini
Marcial Lima
Jairo Martins
Tuca Maria José Ribeiro
Al- Chaer
Marcelo Steil
Nassau de Souza
Vilson do Nascimento



.............................................................................................................................................


Um dos maiores poetas catarinenses em atividade, um grande poeta brasileiro, um artista incansável e versátil, um homem com uma rica história de trabalhos e conquistas, um conhecedor do mundo, este é Tchello d'Barros.

Dois pontos que o Círculo Desterro defende firmemente são o estudo da linguagem e a sonoridade, quesitos que Tchello apresenta-nos com maestria. Seus haicais e poemínimos brasileiríssimos são prova viva de seu talento e, além disso, um deleite ao erotismo poético.

Christian Koenig - Florianópolis/SC – março 2009
Escritor, editor, pesquisador de literatura e coordenador do Círculo Desterro
In: Blog Círculo Desterro

.............................................................................................................................................



“Toda criação genuína é experimental em relação à sua linguagem. A leitura é a verdadeira vedete dessa série singular. Por um lado nos oferece a possibilidade de decidir por nós mesmos o valor vivencial que esses poemas têm para nós em relação a nossos repertórios de conhecimentos e experiências pessoais. E, por outro, ao questionar a poesia tradicional, nos obriga a criar, ou estabelecer novos modos de interpretação, o que nos situa como co-criadores pois, ainda que Tchello d'Barros nos ofereça novas formas, parcialmente incompreensíveis, também nos brinda, dentro de cada poema, os elementos necessários para sua interpretação. Apenas temos que descobri-los...”

Clemente Padin – Montevidéo / Uruguay – outubro de 2006
Poeta Visual, Editor e Pesquisador de Literatura experimental
Texto de parede da exposição de Poesia Visual no NAC em João Pessoa/PB


.............................................................................................................................................




“tchello girando pela mandala tamarineira nas (im) possibilidades do poema deixando sua lógica pros mortais.

tchello que nunca fotografa nem sei se fotografa as letras e poemas que e/ letra/ fica / recita dos poros e gretas seu organismo sul cardeal voa e surta na aura das coisas em passados e desfuturos.

tchello humoriza e demoniza em centenas ou milhares de letras autopoéticas todos os retratos. “

Rodolfo de Athayde – João Pessoa/PB - outubro 2006
Artista visual e produtor cultural
in: Texto de parede p/ a mostra "Noções Unidas" no NAC de João Pessoa/PB


.............................................................................................................................................



“Tchello tornou-se, é verdade, um cidadão do mundo, tantas andanças fez à procura de concretude que possa lhe encher seu ser abstrato e abstraído...os poemas visuais de Tchello falam por si só e permitem a interpretação que cada um lhes quiser dar de acordo com o que vê e o que lhe fala o conteúdo do que vê.”

Luiz Eduardo Caminha – Blumenau/SC – novembro/2006
Poeta, Editor e Coordenador do Stammtisch em Blumenau/SC
in: Matéria para a sessão Das Letras do site www.stmt.com.br
referente à exposição de Poesia Visual no NAC em João Pessoa/PB


.............................................................................................................................................



“Tchello é dono de texto escorreito e artista gráfico. Maneja formas e cores com a correção da sua prosa, e a poesia dos versos que compõe. O interesse pelo labirinto foi despertado ao traduzir ninguém menos que Jorge Luis Borges, daí passou a ver como eles se apresentavam em diferentes formas e lugares inusitados, dos jogos de criança às naves e adros de velhas catedrais européias.
Transpor nas suas infogravuras os labirintos que a teia da vida estabelece, foi decorrência natural. Nas gravuras eles se configuram variados e coloridos, as formas vão se arrumando nos diversos padrões, a atração das cores conduz o olhar do espectador que se entretêm em compará-las, querendo encontrar a preferida. A proposital apresentação sem qualquer ordem predeterminada favorece essa leitura que privilegia a espontaneidade própria da arte gráfica.”
Matilde Matos – Salvador/BA - outubro de 2006
Curadora e crítica de artes da ABCA e AICA
in: Texto de parede p/ a mostra "Labiríntimos" na EBEC Galeria de Artes em Salvador/BA


.............................................................................................................................................



Ten(s/ç)ões

“Da geometria clara à sinuosidade das linhas curvas, tênues, que
serpenteiam em busca de conformações morfológicas menos rígidas, em
vão(s). Do contraste extremo do preto com o branco aos tons de cores
intensas, ainda que de matizes próximas. Assim é a exposição 'Grafos
& Cromos", do artista Tchello d'Barros. A ludicidade da organização de
grafos e cromos – formas e cores – oscila entre a regularidade
geométrica e a vibração cromática, buscando acentuar o contraste, o
detalhe, a tensão que lastreia o olho do observador, buscando ali
referências emergidas do abstrato, consolidadas na concretude
mnenômica dos jogos ópticos, das tramas visuais, do espaço que foge e
se redimensiona. De orientação concretista, o foco estilístico se
perde na multiplicidade, aspecto da pós-modernidade que perpassa o
trabalho, golpeia a referência e a faz vibrar em novos sons, ousados,
contrastantes.”

“Pentágonos, espirais, quadrados, os grafos tangenciam a regularidade,
mantêm o gesto contido nas linhas que saracoteiam e, coadunadas com as
cores, produzem efeitos de subjetivação, em tensões e tenções. O
contexto poético do artista lança mão de tensões visuais e se insinua,
em tenções gestaltistas de estremecimento, movimento, represadas em
uma morfologia regular.”


Cleomar Rocha, PhD – Salvador/BA – maio de 2006
Doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas
Presidente da ANPAP - Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas
in: Texto de parede p/ a mostra "Grafos & Cromos" na Galeria do Sesc em Maceió/AL


...............................................................................................................................


“Tchello d’Barros, também herdeiro da herança construtiva, nos faz pensar
com suas combinações poéticas, no dilema da arte, que oscila entre construção e expressão. Por meio de suas ‘poesias espacializadas’, cria um fluxo gráfico...uma composição que, indo além da superfície, vai se impregnando dos diversos sentidos propostos pelo jogo poético. Trata-se portanto, de experimentos visuais essencialmente lúdicos, que estão bem próximos da poesia concretista e do papel culminante que a experiência poética tem na trajetória do artista. As representações ali presentes são
determinadas pela poesia no campo da arte, gerando resultados intensamente minimalistas.”


Nadja Mª Fonseca Peregrino – Rio de Janeiro/RJ – abril de 2006
Curadora, Pesquisadora e Profª. de Artes
Ângela Mª Fernandes de Magalhães
Curadora, Pesquisadora e Profª. de Artes
in: Texto p/ a mostra “Diálogos Foto-poéticos”



..............................................................................................................................


“Tchello d’Barros é artista plástico e poeta, tendo publicado 5 livros e participado de mais de 30 exposições, entre individuais, coletivas e salões, notadamente em Maceió/AL e Blumenau/SC. Sua atuação é plural, tendo percorrido atividades no teatro, cinema, literatura e artes visuais, estas últimas com maior intensidade, incluindo prêmios literários alcançados.

Vivendo em Maceió desde 2004, o artista já visitou vários países em pesquisas
culturais que ampliam seu repertório poético, visto no esmero de enunciados e
enunciações que seus textos visuais constroem.


Cleomar Rocha, PhD – Salvador/BA – abril de 2006
Crítico de Arte, Curador e Presidente
da ANPAP – Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Visuais
in: Texto p/ a mostra “Diálogos Foto-poéticos”

...............................................................................................................................



“O ensaio que Tchello mostra, aqui, é o produto de sua pesquisa a partir de
sua relação com o design gráfico, como é, de outra maneira, de suas especulações recentes em torno dessa jovem ferramenta matricial – a infografia. As mandalas que constrói são simples para um desenho, que não é fácil. Tchello cruza este “ciclo”, cuja história se confunde com a presença do que chamamos de inteligência no Planeta com a religião – acrescenta a isso as nossas cores – verde e amarelo.

De alguma forma ele experimenta o amuleto, mas elabora isso pela imagem e
fixa-os na impressão e, aí, fala e aponta para um registro de um por vir místico – para fora do humano e do natural.”

Bruno Monteiro – Recife/PE – outubro de 2005
Representante da Câmara Setorial de Artes Visuais – Minc/Funarte
in: Texto p/ a série “Pantáculos Pentágonos ” III Bienal da Gravura – João Pessoa/PB


...............................................................................................................................



“A proposta de Tchello expõe em grande dimensão (ou seja, em alto e bom som), a “orientalização” de um texto lírico ocidental. O discurso verticalizado corresponde a uma proposta totêmica para sua principal possibilidade de sentido.

Horizontalmente predomina o “nonsense”, é uma opção de leitura cujo
sentido raramente se organiza numa idéia totalmente clara, completa, construída intencionalmente e elaborada. O trabalho comporta outras possibilidades de leituras. Elas se complementam plasticamente.”

Mario Sette – Recife/PE – novembro de 2005
Coordenador do IAC - Instituto de Arte Contemporânea/UFPE
in: Texto p/ a mostra “Diálogos Foto-poéticos” no CAC/UFPE


...............................................................................................................................


“O que Tchello d’Barros instaura e propõe com sua precisão/difusão visual e
verbal é o exercício de uma criação inteligente, lúdica e bem-humorada.

A percepção das aliterações e sibilações somada aos jogos e imagens semânticas nos permite reconhecer sentimentos e verificar novas possibilidades de expressá-los.”

Ana Glafira – Maceió/AL – junho de 2004
Artista visual, curadora e titular da Câmara Setorial de Artes Visuais - Minc/Funarte
in: Texto p/ a série “Poemagma e Enigmagem” da exposição “Indivisuais” na
Pinacoteca do Espaço Cultural da UFAL em Maceió/AL


...............................................................................................................................



“A leitura do conjunto leva o espectador a compor o seu erotismo pessoal.
É assim que Tchello d’Barros trabalha com a intimidade do corpo que se revela ao gesto simples do olhar.

Fragmentos apenas da epiderme nua. Uma visão particular, intimista
do real palpável que se disfarça nesta interação entre o artista e a modelo.”

Benedito Ramos – Maceió/AL – agosto de 2004
Crítico de Arte e professor de pintura
in: Texto p/ a mostra “E o Verso se Fez Carne” no COSU do IAB/AL em Maceió/AL


...............................................................................................................................



“E isso através de dois olhares em dois formatos: o da fotografia e o da poesia
visual. Na verdade, uma poesia no olhar em duas manifestações que interagem entre si e resultam num verdadeiro espetáculo de criatividade...E não podia ser diferente: Tchello d’Barros é poeta, artista plástico e visual.”

Luis Alberto Machado – Maceió/AL – setembro de 2004
Escritor, Jornalista e Editor
in: Texto p/ a mostra “Combogós e Mandalas” no MISA Museu da Imagem e do Som de Alagoas em Maceió/AL


...............................................................................................................................

“A poesia de Tchello d’Barros aspira sincronizar os sentidos que asseguram a percepção estética mobilizando o aparato ‘verbivocovisual’ do modo lírico....

E mais, Tchello constrói uma poesia atraente e jocosa, impregnado da fala urbana afetuosa, com a qual nos sentimos afetados.”

Francisco Oiticica-Filho – Maceió/AL – junho de 2004
Crítico de Arte e Dr. em Literatura e Sociedade
in: Texto p/ a mostra “Indivisuais” na Pinacoteca do Espaço Cultural da UFAL em Maceió/AL


...............................................................................................................................



“As fotos de Tchello não pedem o olhar pronto, predeterminado, evidente.
Elas não são o que são: são o que revelam. E, sendo assim, precisam ser olhadas através delas próprias, ou a partir delas. Têm a dimensão do imaginário alagoano."

Marcial Lima – Maceió/AL - outubro de 2004
Ator e presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural de Maceió/AL
in: Texto para a mostra “Conversa com Fotos com Versos” no COSU do IAB/AL
em Maceió/AL


...............................................................................................................................



“Diferente das Mandalas sofridas do Museu de Imagens do Inconsciente, as
Mandalas cibernéticas de Tchello d’Barros são luminosas e dinâmicas, ascéticas e perfeitas, convidam a uma faxina mental e o retorno da busca da perfeição, ao mesmo tempo em que reportam à busca obsessiva de Cézanne pela montanha e de Monet pelos jardins aquáticos.”

Cláudio Bergamini - Maceió/AL - setembro de 2004
Arquiteto e presidente do IAB/AL
in: Texto p/ a mostra “Relevos Revelados” no MISA Museu da Imagem e do Som em Maceió/AL

...............................................................................................................................



"Tchello d’Barros é desses homens necessários à humanidade, pois se nega a permitir que sua essência se afogue no oceano massificante do capitalismo, fazendo-a sempre flutuante e insinuante e com isso trazendo altos benefícios à sociedade e seus processos culturais."

Jairo Martins – Blumenau/SC – dezembro de 2003
Poeta e escritor – Presidente da Sociedade Escritores de Blumenau
in: Texto da orelha do livro "O Amor à Flor da Pele


...............................................................................................................................


"Tchello d’Barros...é com certeza, um artista inquieto. Pesquisador da palavra, de seus símbolos, sons e cores, brinda-nos agora com um jardim em forma de trovas sobre flores que saltam das páginas deste livro.
...
O resultado é um trabalho surpreendente em sua frutífera carreira de gente que vê e sente."

Profª. Drª. Maria José Ribeiro, a Tuca – Blumenau/SC – novembro de 2003
Professora de Teoria da Literatura na Furb
in: Prefácio p/ o livro "O Amor à Flor da Pele"


...............................................................................................................................



"Sua poesia está para mim dentre o que há de mais denso, de tudo que já li. "A poesia de Tchello é uma passagem...só de ida. Sem volta. Pudera! Voltar pra quê?! E pra onde?!" "

Al-Chaer – Goiás/GO – outubro de 2003
Poeta e escritor
in: Comentário sobre a série "Poemínimos"

...............................................................................................................................



"Assim, observa-se em Tchello d'Barros um autor com esmerada consciência
formal, que além da concisão, atenta para as várias possibilidades de comunicação, o que Ezra Pound chamou de "verbi-voco-visual", ou seja, no campo semântico, sonoro e visual.

Seus inquietantes poemínimos vem somar-se às experiências poéticas de qualidade que publica-se atualmente no Brasil."

Marcelo Steil – Blumenau/SC – agosto de 1999
Poeta/Escritor, Presid. UBE/SC 2003
in: Prefácio para o livro "Letramorfose” de Tchello d’Barros


...............................................................................................................................



"Tchello d'Barros é essencialmente um artista multimídia. Síntese adquirida no vértice cosmopolita dos anos noventa, quando acresceu ao movimento cultural a personalidade multifacetada de pintar, escrever e encenar.

A diversificação que incorpora a obra desse artista, alia a cromática caligráfica
ao entendimento fractal de movimentos e texturas, através de uma visão refinada o impacto atemporal de múltiplas possibilidades.”

Nassau de Souza – Blumenau/SC – julho de 1998
Poeta e Produtor Cultural
in: Texto para a mostra individual "Rio Imaginário” no Espaço de Exposições da SEMED em Blumenau/SC


...............................................................................................................................


“Telas, pincéis, canetas e máquinas datilográficas. Todas peças obsoletas no
laboratório virtual do cibernético Tchello d'Barros.

Chamá-lo de contemporâneo é marcar passo, neo ou pós-contemporâneo é subestimá-lo.”

Vilson do Nascimento – Blumenau/SC – maio de 1996
Crítico de Arte ABCA e AICA
in: Texto p/ a mostra “Texto e Textura” na Fundação Cultural Frei Godofredo em Gaspar/SC

...............................................................................................................................

2 Comentários:

  • http://achatcialisgenerique.lo.gs/ cialis achat
    http://commandercialisfer.lo.gs/ cialis prix
    http://prezzocialisgenericoit.net/ cialis roma
    http://preciocialisgenericoespana.net/ cialis 20 mg

    Por Anonymous Anônimo, às 2:35 AM  

  • http://prixviagragenerique50mg.net/ viagra
    http://prezzoviagraitalia.net/ viagra
    http://precioviagraespana.net/ viagra generico

    Por Anonymous Anônimo, às 5:18 PM  

Postar um comentário

<< Home